ataques-epileticos-em-caes-convulsoes

Ataques Epiléticos Em Cães: Sintomas E Causas

taques-epileticos-em-caesAtaques  epiléticos em cães é o distúrbio neurológico crônico mais comum em cães, afetando aproximadamente 2,5% dos cães. Essa doença geralmente dura toda a vida, causando crises repetidas ou crises epilépticas , embora sua taxa de remissão, espontaneamente ou com tratamento, seja de 15%.

Existem algumas raças que são mais propensas a convulsões, como Pastores Alemães, Beagles, Golden Retrievers e Labrador Retrievers. A expectativa de vida dos cães afetados depende de vários fatores. Um estudo revelou que a epilepsia idiopática tem um prognóstico pior e que cães intactos tendem a viver mais.

O que é epilepsia em cães?

Indice do conteúdo

A convulsão ocorre quando a atividade elétrica anormal ocorre no cérebro como resultado da despolarização espontânea das células nervosas, que pode ocorrer por excitação excessiva ou perda de inibição. Essas transformações no nível cerebral causam mudanças repentinas e de curta duração no comportamento e/ou movimento do cão.

Em cães, as crises epilépticas ocorrem frequentemente no meio da noite, o que se deve, entre outros fatores, ao fato de certos grupos de neurônios que são levemente hiperativos durante a vigília se tornarem mais excitáveis ​​durante o sono.

Os sintomas das crises epilépticas variam conforme o cão passa por diferentes fases:

  • prodrômico Esta fase, presente em 10% dos cães epilépticos, precede a convulsão e pode durar apenas alguns minutos ou vários dias. Geralmente se manifesta através de um estado de inquietação .
  • Aura. Esta fase pode durar apenas alguns segundos ou alguns minutos antes que a crise epiléptica seja desencadeada, pois é uma crise focal que se generaliza rapidamente. Disfunções comportamentais, motoras, sensoriais e/ou autonômicas podem ser observadas .
  • Pós-ictal. Esta frase pode durar horas ou dias após a crise epiléptica. A maioria dos cães sofre alterações comportamentais em decorrência da exaustão cerebral, tendem a ser atáxicos , cansados ​​e às vezes agressivos 

Convulsões em cães: sintomas específicos dependendo da área afetada

A maioria das crises epilépticas em cães ocorre de repente, dura apenas alguns segundos ou minutos e para por conta própria. Os sintomas variam dependendo da área do cérebro afetada.

  1. Convulsões focais. Eles afetam apenas metade do cérebro e são limitados a uma região específica, portanto, os sintomas dependem da área afetada e de suas funções. Em alguns casos, movimentos episódicos, como espasmos faciais, piscar rítmico, sacudir a cabeça ou espasmos musculares em uma extremidade podem aparecer. Em outros casos, podem aparecer sinais autonômicos como salivação excessiva, vômitos e pupilas dilatadas. Mudanças no comportamento, como inquietação, ansiedade ou medo inexplicável, também podem ocorrer.
  2. Convulsões generalizadas. Ocorrem em ambos os hemisférios cerebrais, de modo que o cão geralmente perde a consciência e apresenta sintomas autonômicos como salivação, micção e defecação. Os movimentos geralmente afetam os dois lados do corpo. Podem ser movimentos tônicos que envolvem rigidez muscular, movimentos clônicos , que seriam contrações involuntárias rápidas e rítmicas dos músculos, movimentos tônico-clônicos ou mioclônicos , que se manifestam como espasmos esporádicos. Em alguns casos , podem ocorrer convulsões atônicas , que causam uma perda súbita e geral do tônus ​​muscular, fazendo com que o cão desmaie.
  3. Convulsão focal evoluindo para convulsão generalizada . É o tipo mais comum de crise epiléptica em cães, e envolve uma crise focal seguida de uma crise generalizada. A crise focal é geralmente muito curta e difícil de detectar, pois é seguida quase imediatamente pela generalização secundária

Causas de ataques epiléticos em cães

Cada cão é diferente, então você deve procurar as causas das crises epilépticas individualmente. Na epilepsia idiopática , que costuma acometer cães entre seis meses e seis anos de idade, representando aproximadamente 48% dos casos, segundo este estudo , não se encontra uma causa que explique as crises . Em outros casos, quando se verifica a existência de um padrão hereditário , denomina-se epilepsia primária . No entanto, pode-se fazer referência a causas extra e intracranianas:

  • causas extracranianas. Cerca de um terço deles são resultado de envenenamento por metaldeído e inseticida. Outro terço é devido à hipoglicemia ou overdose de insulina. 10% é consequência de encefalopatia hepática por shunt portossistêmico e 5% é devido à hipocalcemia.
  • causas intracranianas. Podem ser de natureza inflamatória, vascular, neoplásica ou degenerativa. O traumatismo craniano também aumenta o risco de desenvolver epilepsia, como mostrou este estudo . No entanto, estima-se que quatro em cada cinco casos de crises epilépticas em cães devido a causas intracranianas sejam de natureza neoplásica ou inflamatória. Embora menos comum, a epilepsia também pode resultar de acidente vascular cerebral, cinomose ou meningoencefalite granulomatosa .

Em alguns casos, graças a exames de ressonância magnética e/ou análise do líquido cefalorraquidiano, pode-se verificar a existência de uma anormalidade estrutural, caso em que se denomina epilepsia estrutural , mas nem sempre é possível detectar o dano.

Artigos Populares

Referências: